O ObservaRH realiza pesquisas em todas as áreas da saúde. Para consultar, selecione uma das categorias abaixo:

Capacidade gestora de Recursos Humanos em instâncias locais de saúde em municípios com população inferior a 100 mil habitantes
Coordenação: Celia Regina Pierantoni
Download
Compartilhe

O estudo sobre capacidade gestora de recursos humanos em instâncias locais de saúde compõe o conjunto de estudos demandados pela Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES) e coordenados pela Rede Observatório de Recursos Humanos (ROREHS/MS). Para atender à agenda proposta pela SGTES para a área, a Estação de Trabalho do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) coordenou o estudo “Avaliação da Capacidade Gestora de Recursos Humanos em Instâncias Locais de Saúde”, operacionalizado em parceria com a Estação de Sinais de Mercado do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Minas Gerais (NESCON/UFMG). Esta pesquisa complementa o estudo anterior, realizado com estruturas de recursos humanos das Secretarias de Saúde localizadas em grandes centros urbanos. 

 
Objetivo
Caracterizar a área de recursos humanos em saúde em cidades de pequeno porte e fornecer subsídios às instâncias gestoras do trabalho e da educação na área da saúde, para a formulação e implementação da política setorial.
 
Metodologia
A pesquisa foi dirigida a gestores de recursos humanos de instâncias locais de saúde localizadas em municípios com população inferior a 100 mil habitantes. O estudo, de natureza qualitativa, envolveu a caracterização e identificação do universo de municípios estudados (amostra estatisticamente definida de municípios de menor porte populacional) e consistiu em um survey dirigido aos gestores/responsáveis pelo setor de recursos humanos em saúde. A pesquisa foi realizada por meio de entrevista telefônica apoiada por computador. O questionário foi estruturado em formulário eletrônico para a coleta telefônica das informações e para o processamento dos dados por meio informático. Optou-se por estratificar os resultados a partir do porte populacional dos municípios, na tentativa de estabelecer possíveis comparações e evidenciar grupos homogêneos ou heterogêneos nos conjuntos estratificados. 
 
Resultados
O estudo assinala uma expressiva participação de gestores de RH com nível médio de escolaridade (48,2%) e do sexo feminino; a experiência na área de RH é centrada nas atividades administrativas da gerência de pessoal. Os órgãos de RH possuem estrutura própria, porém não dispõem de recursos físicos e de quadro de pessoal para o desenvolvimento das atividades. As atividades mais desenvolvidas pelos gestores de RH são administração e capacitação de pessoal. É inexpressivo o quantitativo de SMS que possuem orçamento próprio para RH, bem como, dentre estes, os que são ordenadores de despesa. O planejamento das ações ainda não está plenamente incorporado na prática dos secretários que realizam as atividades de RH. Destaca-se a não-utilização de sistemas de informação de recursos humanos pelas SMS.
 
Conclusão
Este estudo vem complementar aquele desenvolvido com municípios acima de 100 mil habitantes, possibilitando apontar reflexões sobre a capacidade gestora da área de recursos humanos em saúde, totalizando o quadro da capacidade gestora das instâncias locais de saúde no Brasil. A investigação centrou-se em quatro questões-guias: estrutura do setor de recursos humanos; os processos de gestão e a capacidade gestora; perfil do gestor de recursos humanos e a percepção dos próprios gestores de recursos humanos em relação a sua autonomia; a utilização dos instrumentos de gestão e as áreas que necessitam de apoio. Por serem, em sua maioria, do quadro próprio, pode ser pertinente envidar novos esforços que promovam a qualificação para a gestão do trabalho em saúde. A inexistência de orçamento próprio para a área de RH na SMS pode estar associada à baixa autonomia do gestor na ordenação de despesas. O estudo demonstra que a autonomia do gestor é limitada às questões relacionadas à “burocracia interna” e, para questões que exigem poder decisório na definição de recursos orçamentários, é muito baixa ou inexistente. Como questões prioritárias, na opinião dos gestores, o estudo aponta a capacitação e o treinamento, o concurso público, dispor de bom sistema de informação e possuir plano de carreira para a saúde. Tais resultados indicam a necessidade de processos que promovam a qualificação na gestão no trabalho em saúde, inclusive para a utilização de sistemas de informação no planejamento das ações de RH, bem como medidas para o fortalecimento dos planos de carreira e das mesas de negociação. Importante refletir também sobre a baixa (e por vezes nenhuma) autonomia do gestor de RH, que, quando presente, limita-se a utilizar sistemas de avaliação de desempenho e desenvolver capacitações (aqui referidas àquelas promovidas pelos programas do Ministério da Saúde).

Download
Compartilhe



Observatório de Recursos Humanos da UFRN lança livro sobre os desafios da Gestão do Trabalho nas Secretarias Estadu… https://t.co/sETqrIcTUk
Dia 07/11 será realizada, no IMS/UERJ, a abertura do curso de Mestrado Profissional em Administração em Saúde, uma… https://t.co/w2H3cLlTv4
Evento comemorativo de 30 anos da Escola de Formação Técnica em Saúde Enfermeira Izabel dos Santos (ETIS): dia 01/1… https://t.co/PtgwJcJvGp
Todos os direitos reservados © ObservaRH-IMS/UERJ - 2013