O ObservaRH realiza pesquisas em todas as áreas da saúde. Para consultar, selecione uma das categorias abaixo:

Estratégias para a Distribuição e Fixação de Médicos em Sistemas Nacionais de Saúde: O Caso Brasileiro

Download
Compartilhe

Autor: Maciel Filho, Rômulo

Orientador: Celia Regina Pierantoni
 
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2007. 262 p. tab
 
Resumo:
A distribuição geográfica de médicos é um problema com que se defrontam os sistemas nacionais de saúde e, no Brasil, tem se tornado um dos desafios para a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS). A análise dos determinantes dessa distribuição está fundamentada em abordagens sobre o mercado de trabalho em saúde e no médico - sua formação ou oferta -, inseridos no contexto histórico, político, econômico, social e institucional em que são construídos. O referencial de análise proposto neste estudo tem como objetivo evidenciar os fatores e condicionantes que interferem na distribuição e fixação de médicos e identificar possíveis estratégias de intervenção que podem ser aplicadas à realidade brasileira, no contexto das políticas públicas. O mote para essa discussão é a compreensão de que a forte concentração geográfica dos profissionais e dos serviços impede a concretização dos princípios que regem o Sistema Único de Saúde, particularmente no que se refere à universalização, à integralidade e à própria descentralização. As estratégias tentadas pelo governo brasileiro também são abordadas, mais especificamente, o Projeto Rondon, o Programa de Interiorização das Ações de Saúde e Saneamento (PIASS) e o Programa de Interiorização do SUS (PISUS). Essa análise é complementada com um estudo de caso sobre a experiência recente no campo da política pública em saúde destinada a minimizar a má distribuição de médicos no território nacional: o Programa de Interiorização do Trabalho em Saúde (PITS), implementado pelo Ministério da Saúde em 2001. Sua condição de estratégia inédita na política de recursos humanos em saúde em nosso país permitiu identificar aspectos relevantes para qualquer iniciativa que pretenda fortalecer a distribuição de profissionais de saúde, para além dos grandes centros urbanos. Por fim, o estudo oferece um referencial de análise para a distribuição e a fixação de médicos, construído a partir dos elementos contemplados na revisão da literatura, na discussão teórica, no aporte das experiências nacionais e internacionais e nos resultados obtidos no estudo de caso(AU) – Em.

Download
Compartilhe



Às 13h, no Canal Saúde: O Em Pauta na Saúde vai destacar a Conferência de Astana, no Cazaquistão, que celebrou os… https://t.co/EWnKCgC5kC
A Faculdade de Ciências Médicas da UERJ (FCM) recebe, até o dia 30 de novembro, inscrições para nove cursos de espe… https://t.co/vwWknQ6dKQ
Estudante de Iniciação Científica do PIEVF/Instituto de Medicina Social recebe Menção Honrosa na 27ª SEMIC, da… https://t.co/KdcSeSM0N3
Todos os direitos reservados © ObservaRH-IMS/UERJ - 2013